segunda-feira, 1 de setembro de 2014

O BANHO COM KURT (continuação de "AO AR LIVRE")




elizabeth querida, quanta saudade. adorei receber notícias suas. que bom que saiu tudo conforme você havia planejado.
por aqui tudo bem. desculpe minha ausência, tive uns pequenos problemas. nada alarmante.
em sua última carta, você foi bastante enfática. então, me rendo. não insista mais: vou contar como foi o banho com kurt. vamos lá:
chegamos em casa completamente encharcados pela chuva, que nos pegou de surpresa no meio do caminho. as toalhas que peguei para tentar tirar o excesso de água não foram suficientes.
– acho que vamos ter de ir para o banho, sugeriu kurt. 
– sim, é por aqui, respondi indo em direção ao banheiro. 
levei-o até a porta.
– você não vai me deixar aqui sozinho.
kurt me puxou para dentro do banheiro.
enquanto nos beijávamos, tiramos a roupa apressadamente e fomos para o chuveiro. a água caiu quente e farta. ali embaixo, kurt me abraçou e me beijou novamente.
a água esquentava nossos corpos ainda gelados por causa da chuva. kurt passava as mãos nos meus cabelos molhados.


seus dedos foram descendo pelo meu corpo. beijava meu pescoço, mordia minha orelha. logo seus dedos chegaram ao meio das minhas pernas. ele sentiu que eu já estava excitada.

parou de me beijar e me empurrou na parede. a ducha de água caia na minha frente, kurt ajoelhou. a água corria pelas suas costas. ele abriu minhas pernas e olhou minha boceta molhada. abriu devagar com os dedos os grandes lábios que já estavam inchados e quentes. meu clitóris ficou à mostra. ele,então, lambeu. passou a língua e sentiu que meu corpo estremecia ao seu toque.
levantou e me virou de costas. agora a água caia na minha bunda. eu me empinei em sua direção. ele enfiou novamente os dedos na minha boceta molhada.
abri mais ainda minhas pernas. ele pegou o xampu que estava na prateleira e derramou na minha bunda. o líquido escorreu e ele levou o xampu até meu cu.
desligou a água do chuveiro.
kurt então esfregou bem o xampu no meu cuzinho. devagar enfiou um dedo. dois dedos, três e eu fui abrindo o cu pra ele. até que ele sentiu que eu estava pronta pra ele. tirou os dedos. o xampu ajudou o pau escorregar fácil para dentro de mim.


eu gemi de prazer.
kurt penetrou e ficou lá, paradinho, me fazendo sentir seu pau latejando. começou então um movimento lento, tirou e enfiou o pau novamente. segurava minha cintura com força. eu estava louca de tesão.
– isso kurt, mete com força no meu cuzinho, eu disse gemendo. 
e ele metia.
– minha puta gostosa, sente meu pau dentro de você? perguntava quase rosnando.
eu sentia ele todo.
kurt deu várias estocadas com força. eu empurrava minha bunda em sua direção. sentia o pau rasgando minhas entranhas.
seu movimento ficou rápido até que ele gozou. senti a porra enchendo meu cu enquanto ele gemia de tesão.
kurt ligou novamente o chuveiro. eu tremia de prazer. senti cada estocada, quase gozei junto.
ele me virou de frente pra ele e me beijou a boca. a água escorria quente, lavando tudo. ele pegou novamente o xampu derramou em meus cabelos.
lavou com carinho. enxaguou. pegou o sabonete, fez espuma na esponja e passou pelos meus ombros.
foi descendo até meus seios. lá demorou um pouco mais passando levemente a esponja pelos meus mamilos excitados.


desceu pela minha barriga. nessa hora eu peguei a esponja da sua mão e passei a ensaboá-lo.
deixei a espuma cair no seu pau. ainda estava armado. larguei a esponja e com a mão lavei o pau dele na água que caia. para tirar toda a espuma comecei a fazer uma massagem. o pau ficou ainda mais duro.
eu ajoelhei. fiquei com a água caindo em meu rosto. mais uma vez ele desligou o chuveiro. eu enfiei o pau na boca.
chupei o pau de kurt com fome. senti na minha garganta. eu lambia e chupava. uma chupada forte e saborosa. até que ele gritou que ia gozar novamente.
tirei o pau dele da boca e deixei ele gozar na minha cara.
espalhou a porra pelo rosto todo. eu fiquei ali olhando pra ele enquanto ele jorrava esperma em mim.
até que liguei novamente o chuveiro e a água levou tudo mais uma vez.
levantei e finalmente terminamos o banho. saímos do chuveiro e nos enrolamos nas toalhas. eu queria mais. queria gozar nele. mas, ai, já é outra história...
na próxima carta te conto o fim disso tudo minha querida elizabeth. um grande beijo, sua eterna, M.R.



domingo, 22 de dezembro de 2013

AO AR LIVRE



elizabeth, como você está? sinto saudades imensas. como está seu bebê? seu marido? espero que bem. resolveu aquele seu “probleminha” com daniel? acredito que sim, você sempre foi muito prática.
querida, respondendo a sua pergunta: sim. era kurt o nome dele. ele mesmo, o rapaz moreno, dos cabelos despenteados.
ah kurt...ele tinha aquele jeitinho de garoto, os olhos profundos e umas pernas que me tiravam o fôlego.
lembro do dia que ele chegou para morar aqui perto. quase vizinho. ele se apresentou muito gentilmente, estava meio atrapalhado entre os móveis da mudança. carregava o violão com muito cuidado.
foram poucos dias para a gente se conhecer melhor. até chegar aquela tarde em que ele me encontrou colhendo flores próximo ao córrego que passa aqui atrás.
elizabeth, vou te contar:
acordei tarde naquela manhã. estava com uma dor de cabeça inexplicável. tomei um café bem forte, comi alguma coisa. passei o dia andando de um lado para o outro nessa casa enorme. não consegui escrever, nem ler, nem nada. um aperto no coração me deixava inquieta. descobri mais tarde que já era a ansiedade causada por kurt, mas até aquele momento não havia pensado nisso.
resolvi dar uma boa caminhada pelas trilhas da floresta que cresce aqui atrás do meu terreno. a ideia era me perder entre as árvores. um pouco cansada resolvi colher algumas flores e sentar para observar as pequenas ondinhas que se formam no lago durante a tarde. um vento frio ajudava na formação da marola.
nesse momento fui surpreendida por uma canção que vinha próximo dali. fui andando até lá e encontrei kurt cantando embaixo de uma árvore. uma música suave,  quase dolorida, numa voz baixa.
fiquei observando sem ele perceber minha presença. cantava quase de olhos fechados. alguns minutinhos se passaram e ele finalmente me viu.
levantou rapidamente e foi em minha direção:
– querida, não a vi ai antes. venha, sente-se ao meu lado.

sentei. ele então pegou novamente o violão e voltou a cantar. quase sussurrava a música. eu fiquei hipnotizada olhando os braços, as mãos, os dedos, a boca. cada palavra que ele cantava me encantava e me cativava. tinha ombros sensuais e a blusa folgada que usava dava um ar ainda mais sexy.
fechei os olhos e deixei a música me levar. a brisa suave estava fria e eu me arrepiei. não sei se de frio ou emoção. havia dias que eu pensava naquele homem e agora ele estava ali na minha frente, a minha disposição.
fiquei sem graça com meus pensamentos. quem sabe se ele queria alguma coisa comigo? ele era mais novo, deve ser comprometido, nada me garantia que ele estava interessado. mas pela maneira como me olhou senti que sim , ele também me queria.
para ficar mais a vontade tirei o sapato. gosto da sensação de pés descalços. sem querer meus pés tocaram suas pernas. imediatamente senti seu corpo arrepiar. deixei o pé lá, encostado displicentemente.
muito lentamente ele foi chegando cada vez mais perto. até chegar o ponto que entre nós havia somente o violão. sem falar nada, ele largou o instrumento e me puxou em sua direção. segurou meu pescoço e beijou minha boca.

foi um beijo profundo. nossas línguas se entrelaçaram, se provaram.
senti meu coração palpitar. parecia que ele já conhecia minha boca. seus lábios me envolviam, eram macios e perfeitos.
suas mãos seguravam meu rosto. ele queria me engolir, sentir cada parte de mim. e eu também queria.
nossos beijos ficaram ainda mais quentes. eu não pensava em mais nada, apenas em sentir aquele homem me querendo.
ele beijou meu pescoço, meus ombros, meu colo. puxou meu decote e me olhou nos olhos com um sorriso nos lábios. eu olhei de volta e nada disse. ele entendeu que era a permissão para ir em frente.
puxou meu decote para baixo e meus seios saltaram para fora do vestido. meus mamilos duros sentiram a língua dele. ele provava como se fosse um doce. delicadamente lambeu, rodeou a língua por eles. em um seio passava a palma da mão sentindo meu prazer crescer. com a boca chupava o outro, mamando com muita vontade.
depois passou a chupar os dois, apertando com as mãos. eu me entregava sentindo o cheiro de seu cabelo.
logo ele voltou a beijar minha boca e fomos deitando na relva. ele ficou em cima de mim, eu sentia a grama em minha pele.
ele levantou meu vestido, admirou minha calcinha e sorriu novamente. aos poucos tirou minha calcinha e pode ver meu sexo. tocou devagar. admirou longamente e finalmente abriu minhas pernas.
foi com sede para o meio delas. lambeu, chupou, cheirou. passava  língua na virilha, voltava para o clitóris, se enfiava em mim. gemia baixinho, ele realmente estava adorando estar ali.
quanto mais ele se esforçava mais eu sentia prazer. ver aquele homem me provando, sentindo prazer com meu gosto, com meu cheiro, estava me deixando louca. eu rebolava na cara dele e ele se enfiava mais ainda.
me enlouqueceu com a língua mais safada do mundo. eu fiquei completamente molhada.
ele então levantou e tirou as calças. ficou apenas com a camisa folgada. eu sentei na sua frente. seu pau duro ficou na altura do meu rosto. não tive dúvidas, ajoelhei e pude sentir ele todo na minha boca.
ele enfiou o pau na minha garganta. puxava meu cabelo e se entregava. eu chupei com vontade, provei cada centímetro. lambia e segurava com força. ficamos assim até sentir que ele latejava e ia explodir de prazer.
ele segurou meu rosto e mandou eu ficar de quatro pra ele.
eu fiquei de quatro na grama, sentindo pequenas pedrinhas furando meu joelho. mas eu queria estar ali ao ar livre, sentindo a brisa me arrepiar, e sentindo aquele homem entrando em mim.
ele me possuiu com tesão, com força. segurava minha cintura e me puxava em sua direção. eu sentia seu pau nas minhas entranhas. ele gemia, eu também, quase gritava de tanto prazer.
empinei a bunda pra ele entrar ainda mais em mim. eu o sentia inteiro. nosso ritmo foi ficando cada vez mais rápido.
gozamos os dois ali, eu de quatro e ele ajoelhado atrás de mim.
ele me abraçou por trás e ficamos sentindo a respiração um do outro.
caímos os dois na grama e começamos a rir. estávamos felizes.
demos as mãos e ficamos um tempo observando o céu que escurecia em cima de nós.
– quero mais. muito mais. disse ele.
– também quero meu querido.
– madame, me beija?

eu o beijei profundamente. foi um beijo mais languido, sem a fome inicial  que nos consumiu.
ele olhou bem fundo nos meus olhos e me beijou novamente. deitei em seu peito e ficamos assim por mais um tempo. meus pés acariciavam suas pernas.
uns pingos de chuva chegaram.
rapidamente levantamos e nos vestimos.
fomos correndo até minha casa, mas não conseguimos escapar da chuva.
a tempestade nos pegou. ficamos completamente molhados.
ao entrar em casa meu tapete ficou encharcado.
pra tirar o frio, fui direto para o banheiro, para um banho quente.
ele foi junto.
ah minha querida elizabeth, foi o melhor banho da minha vida. já já te conto...


(...) continua

domingo, 15 de dezembro de 2013

sábado, 14 de dezembro de 2013

a carta que recebi de corelli


 

meu querido h. adams. recebi uma carta na semana passada que me tirou o fôlego. 

marcos corelli escreveu. depois de tantos anos. olha o que ele disse:

“minha querida madame red, meus pensamentos me levaram a lembrar da primeira noite em que nos imaginei juntos. era uma noite escura e chuvosa.
eu estava cansado, me joguei na cama e logo adormeci. sem me dar conta, sua imagem invadiu meus sonhos como um furacão. foi um sonho desordenado que desconheço como se iniciou. lembro-me apenas de vê-la sentada em uma cama grande, vestindo uma lingerie vermelha. eu me sentava próximo a você , acariciava seus ombros brancos com a ponta de meus dedos e beijava vagarosamente a nuca. sentia a mulher extremamente sensual que é.
seus cabelos curtos e ruivos, pernas grossas e torneadas, me deixam louco. seu nariz fino, lábios sempre pintados de vermelho e um olhar que se perde entre a sedução e o mistério me fazem perder o fôlego.
meu sonho continuou comigo desabotoando seu sutiã e abraçando-a por trás, enquanto vagava as palmas de minha mão em seus seios. em seguida, você me jogou na cama e subiu em meu corpo, beijou e lambeu meu pescoço e meu peito. eu já podia sentir seu perfume doce e quente, assim como seu o calor.. mas tudo isso não durou muito. algo me assustou e acordei no meio daquela madrugada.
senti que minha alma ainda estava com você e desejava com todo meu ser que estivesse ao meu lado na cama aquela noite.
ah madame, saiba que sempre que eu a via meu corpo balançava e meu coração disparava.

lembra, minha querida, de uma bela tarde de outono que resolvi fazer uma visita inesperada? foi com o coração na mão que bati na porta. você demorou a dar sinal de vida, e quando eu já estava indo embora, a porta se abriu. você usava uma roupa típica de ficar em casa no feriado. calção curto, regata branca e chinelo de dedos.
sorriu para mim e mandou entrar. sentei em uma ponta do sofá e você em outra, enquanto passava mais um episodio de "house" na tv.
de repente, você descalçou os chinelos e esticou as pernas, quase encostando seus pés em minha perna. não poderia ter sido um golpe mais baixo. desde criança eu gostava de pés e os seus eram perfeitos. pequenos, brancos e rosados. as unhas estavam pintadas de preto e eu podia sentir que estavam quentes. ao poucos fui me aproximando mais deles e para minha surpresa você os colocou em cima de uma das minhas pernas.
por impulso, os segurei. não falamos nada, sequer nos olhamos, afinal uma vergonha invadia meu ser. sem dizer nada, comecei a fazer massagem em seus pés e você agradeceu com um sorriso.
seus pés estavam quentes e eu queria, cada vez mais, beijá-los. sem pensar muito aproximei meu nariz perto deles para sentir seu cheiro. era maravilhoso e indescritível. você apertou meu nariz com os dedos e rindo perguntou o que eu estava fazendo. não sabendo o que dizer, apenas pedi desculpa. você percebeu meu mal estar e disparou:
- te desculpo se você der um beijo nele.

aquelas palavras me trouxeram pontadas na barriga e uma excitação imediata. sem pensar dei um longo e demorado beijo perto dos dedos. de imediato, fui tomado por um prazer incontrolável. passei a beijar e chupar cada dedo de seu pé suado. passei a língua por entre os dedos e você apenas me olhava e ria, mas podia sentir que estava, de igual modo, sentindo prazer. quando percebi isso, aumentei minha dose de devoção.
passava a língua do calcanhar à ponta dos dedos. depois dava beijos em cada dedo e cheirava-os com força. alternava entre um pé e outro. de repente, você baixou um de seus pés em minha calça e percebeu minha excitação. apertou com os dedos meu pau que estava completamente duro. eu beijava seu pé direito e com o esquerdo você me provocava.

sem poder segurar mais, abri minha calça. você baixou o outro pé e com os dois começou a me masturbar. eu estava me sentindo no paraíso com seus pés brancos e quentes em mim, subindo e descendo.
seus dedos me apertando e deslizando sobre ele. um calor percorria todo meu corpo e eu me sentia inebriado. madame, você pegou sua mão esquerda e começou a se masturbar também, dando leves gemidas de tesão.
sorria para mim, e eu já não podia aguentar. depois de alguns minutos cheguei ao meu êxtase. gozei em seus pés brancos, por entre os dedos e a sola. você olhou para mim com uma cara tomada por excitação e falou:
- que delícia, solte tudo em meus pés gostosão.
fui o que fiz com enorme excitação. minhas pernas ficaram bambas e meu corpo amoleceu. então você tirou a roupa e falou:
- eu também tenho o direito de um orgasmo justo.
subiu em mim com força. lambia meu peito e pescoço como no sonho, todavia, agora eu podia sentir o calor de sua língua passear pelo meu corpo. abracei-a forte junto de mim. você arranhava minhas costas e mordia minha orelha, gemia e sussurrava palavras de prazer. nossos corpos estavam quentes.
você cravou os dedos em meus cabelos e levou meu rosto em direção aos seus peitos. eu os beijava com delicadeza e carinho. os bicos dos seus seios estavam duros e eu os circundava com minha língua e lábios.
ah madame, você explodiu em tesão e prazer. depois, abaixou minha cabeça, abriu as pernas e fez eu lambe-la por inteira.
- me chupe forte. - disse enquanto segurava minha cabeça próximo as suas virilhas que transbordavam de suor e tesão. eu fazia o que você mandava. beijava sua boceta e lambia seu clitóris vagarosamente. chupava-o e lambia com prazer e devoção. não demorou muito e você se molhou toda. descontroladamente, molhou minha boca e rosto. senti um tesão fora do comum em vê-la assim, caída de um incontrolável prazer.
na minha memória depois disso conversamos horas. a noite chegou e dormimos juntos, bem agarrados. pela manhã, acordei e escutei o chuveiro ligado. fui até o banheiro e a vi se ensaboando com o corpo completamente nu. passeava vagarosamente o sabonete pelos seios, pescoço, virilha. senti meu corpo explodir de tesão em vê-la. tirei a roupa e me juntei a você.
nos abraçamos forte, enquanto a água morna do chuveiro salpicava em nossos ombros. você pegou em meu pau com a mão esquerda e começou a me masturbar. logo após, eu a virei de costas e encostei-a na parede. transamos naquele momento. a cada longa e vagarosa metida, você gemia alto e me dava mais prazer.
quando estava quase gozando,você se virou, abaixou e colocou meu pau em sua boca quente, doce e deliciosa. chupava-o devagar e com prazer enquanto a água escorria por nossos corpos sedentos de amor.
não demorei a gozar . me senti no paraíso.
minha vida nunca mais foi a mesma depois desse dia. repetimos a dose uma ou duas vezes. nos nossos últimos encontros passou você passou lente condensado em seus pés e ofereceu-os para que eu os lambesse. o leite se espalhava por entre os dedos e escorria até o calcanhar. eu os lambia com muita devoção e prazer, aproveitando cada segundo desses momentos impares e sublimes.
depois da experiência com o leite, passamos a usar bolo de chocolate. você pisava nele e dava para eu comer os pedaços em seus pés. era cada dia mais delicioso. no final sempre fazíamos um footjob e eu gozava para valer em seus pés. eu me sinto extremamente feliz e livre ao lembrar tudo isso. ah madame, por favor, lembre de mim. escreva. espero ansiosamente".

MARCOS CORELLI




quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

as novas sensações que ian provocou...


meu caríssimo adams, hoje acordei tão solitária e tristonha. como você está? volte meu querido. a saudade me consome.
acordei, veja você, lembrando daquela época em que morei tão longe daqui. naquele lugarzinho gelado, mas numa casa aconchegante, cercada de árvores altas que no outono deixavam um lindo rastro de folhas. as crianças brincavam muito ali por perto já que ficava no final da rua e o espaço para brincadeiras era maior. foi uma época doce, numa casinha pintada de branco, com detalhes lindos nas janelas vitorianas. adorava ver o por do sol da janela do segundo andar.
um trem perto dali cortava o silêncio de vez enquando.
então, passei o dia pensando no vizinho. quase vizinho. ian. ele morava quatro casas acima da minha. 
sempre passava tímido por mim. até que um dia começamos a conversar e ele foi entrando em minha vida. em poucas semanas éramos confidentes. 
nem lembro quando começou minha paixão por aquele homem. foi tudo tão natural, tão sem segredos e mágico.
ele me levou a fazer loucuras, entre elas, coisas gostosíssimas com os pés. você sabe que até em bolo de chocolate eu pisei para ele lamber direto dos meus pés? assim eram nossos encontros, sempre divertidos e surpreendentes.
hoje, por algum motivo que não sei explicar, lembrei-me do dia que ele foi me visitar e quebramos a minha cama de estimação. uma estilo luis xv que eu adorava.
naquele dia nos falamos rapidamente à tarde e eu prometi uma noite bem quente. não tinha ideia do que fazer afinal ele tinha me levado à loucura lambendo leite condensado em meus dedos dos pés.
não seria nada mirabolante: eu simplesmente me entregaria a ele como sua escrava. 
vesti uma saia preta bem curtinha e uma blusa quase transparente, sem sutiã, deixando meus peitos bem à mostra.
esperei por ele sentada no sofá. assim que ele chegou disse apenas:
– hoje sou tua escrava. faça o que quiser comigo. 


entreguei a ele um lenço que poderia servir de venda, algema, ou o que ele quisesse.
ele me olhou espantado, mas entrou no clima. me puxou para ele e beijou minha boca.
– minha escrava é? então senta ali na ponta do sofá.
sentei. ele pegou o lenço e vendou meus olhos.
– agora abre a boca.
abri a boca e ouvi ele abrindo as calças. não demorou e senti seu pau invadindo minha boca, indo até a garganta.
– chupa minha escravinha, chupa todo. 
comecei a chupar e lamber, ele enfiava com força como se comesse minha buceta. segurava minha cabeça e deixava o pau lá até eu gemer.
– não é pra gemer. não é pra se mexer. é só para chupar.
eu continuei assim chupando sem nem tocar nele.
ele segurava meus mamilos sentindo crescer na blusa quase transparente.

 
puxou meu cabelo e abriu minha boca, cuspiu nela. 
– engole escrava. lambi os lábios. 
ele então tirou minha blusa e começou a morder meus mamilos. apertava com as mãos, esfregava o rosto neles. começou a mamar como se quisesse leite. 
parou e falou:
– agora abre bem essas pernas pra eu ver o que tem embaixo da saia.
abri as pernas. 
percebi que se abaixava diante de mim. viu minha calcinha e passou a mão por cima dela sentindo meu sexo. brincou um pouco, sentindo a textura da calcinha, puxou um pouquinho pro lado, enfiou um dedo, e tirou.
mandou eu tirar a calcinha e abrir as pernas.
e lá estava eu de venda nos olhos, sem calcinha, sem blusa, de perna escancarada no sofá.
mandou eu abrir a boca novamente e eu esperava que ele fosse voltar com o pau para dentro dela. mas ele mandou eu lamber três dedos da mão direita.
– deixa eles bem molhadinhos. 
eu chupei e molhei bem meus dedos.
– agora enfia nessa bucetinha pra eu ver.
eu levei meus dedos molhados até ela e acariciei meu clitóris. senti ele latejando. abri bem as pernas e mostrei para ele eu me masturbando com meus dedos melados. enfiei como ele mandou.
– não geme. 
continuei em silêncio fazendo um esforço danado para não gemer.
– agora deita aqui.

me puxou para o meio do sofá e eu deitei, ele abriu minhas pernas e se jogou no meio das minhas coxas. lambia minha virilha, cheirava e lambia meu sexo. ele olhava e voltava a lamber, eu pulsava de prazer. 
lambeu, chupou longamente, enfiou a língua em mim. se deliciava e se dedicava a me explorar.
mandou eu virar de costas.
– fica de quatro minha puta. 
fiquei de quatro pra ele e ele continuou lambendo e chupando.
– se masturba pra eu ver, mandou ele.
eu comecei a me masturbar de quatro, rebolando na minha mão. ele também me masturbou. eram três mãos, uma minha e duas dele. e enfiou seus dedos em mim. tirou da buceta e enfiou no cuzinho. voltou pra buceta.
eu estava louca de prazer. não resisti e tirei a venda.
ele parou tudo o que estava fazendo e amarrou minhas mãos. 
– não pode desobedecer. o que você está pensando? vou ter que te amarrar, disse ele imitando um homem furioso.
– é pra ficar quieta agora.
eu podia ver tudo o que acontecia pelo espelho da sala. me vi de quatro escancarada para ele, mas com os punhos amarrados no braço do sofá.
empinei meu corpo e recebi o pau dele que entrou com força. segurava minha cintura, me puxava pra ele. começou então a me bater. bateu forte na bunda. dava umas palmadas de deixar a marca dos dedos nela. eu gemia de prazer e de dor. e ele me fodia e batia. 
– cala a boca putinha, fica quieta.
eu me esforçava loucamente para não fazer barulho, para obedecer. ele então tirou o pau e voltou pra minha boca. enfiou ele com força sem me dar tempo de pensar. segurou meu rosto, deu um tapa na minha cara e mandou eu engolir tudo.
– você quer leite? toma , engole tudo.
ele gozou na minha boca e eu engoli tudo. vários jatos. senti seu corpo mole, as pernas ficaram bambas.
– ah meu amor, vem aqui, me beija. 
beijei sua boca com um pouco de gozo dele na língua. ele sussurrou baixinho: não acabou.
levantou me olhando com aqueles olhos maliciosos e apaixonados. me puxou pelos braços amarrados até o quarto.

fui como uma cachorrinha. lá amarrou cada braço em uma ponta da cama.
– abre as pernas pra mim. deixa assim, bem abertas
eu abri. minha bunda ainda estava quente por causa das palmadas.
– agora a única ordem é você gozar.
beijou minha boca e enfiou seus dedos em mim. rodeava meu clitóris, apertava, esfregava. fiquei ainda mais louca de tesão.
ele então foi até o meio das minhas pernas e lambeu. lambeu e chupou com devoção, com carinho, com força, com tesão. ele estava novamente de pau duro. 
passava as mãos por todo meu corpo sentindo ele quente e chamando por ian.
eu não aguentei e comecei a gozar. ele então colocou seus dedos ansiosos em mim e eu gozei na sua mão. longamente, freneticamente. ele segurou meu gozo e me deu pra lamber. 
ele então socou o pau em mim, sentindo ainda meus espasmos de um orgasmo múltiplo. eu desobedeci e gritei de prazer. ele então começou a me comer e eu queria mais. mais e mais. eu tentei soltar os braços mas estavam amarrados. ele se segurava na cabeceira da cama e me penetrava.
a força que usamos foi tanta que a cama quebrou. na hora nem ligamos continuamos a nos comer como se não existisse amanhã.
assim que ele gozou dentro de mim senti que alguma coisa estava errada. era a cama que estava prestes a desabar no chão.
comecei a rir e logo os dois rimos sem parar.
que momento gostoso. perdi a cama, mas em compensação foi minha primeira noite de um orgasmo múltiplo. a partir dali quis sempre.
nossa, meu querido, minhas lembranças me levaram longe. preciso voltar a realidade. preciso de um banho. mais tarde escrevo novamente. mande notícias. um beijo da sua sempre saudosa m.r.






segunda-feira, 25 de novembro de 2013

AOS SEUS PÉS


minha doce carmem, escrevo para saber como está a família? espero que bem. fiquei bastante curiosa a respeito do casamento de seu pai. estimo a felicidade do casal. mantenha-me informada.
querida, preciso desabafar.  estou corroída de saudade. você não conheceu marcos corelli não é?
ah minha  amiga, foi a minha primeira experiência com um verdadeiro amante dos pés. como ele me dizia? ah, sim: anjo, estou rendido aos seus pés. sinto um arrepio gostoso ao lembrar. não consigo esquecer. nunca contei a você os detalhes das nossas aventuras. então hoje lhe conto:
marcos é um rapaz bem mais jovem que eu. herdeiro da família de andreas marcondes corelli.  é tímido, tem uma beleza séria, lábios quase desenhados e penetrantes olhos castanhos. seus cabelos negros, geralmente despenteados, dão um charme todo especial ao seu rosto bonito. 
a timidez de corelli faz com um ar de mistério sensual o ronde por onde anda. nos conhecemos numa tarde sem graça de domingo. foi tudo muito por acaso, estávamos na livraria, nos interessamos pelos mesmos livros e a conversa veio facilmente. dos livros para cama foram dias espetaculares de muita música, risadas e passeios inesquecíveis. eu sentia uma vontade urgente e inexplicável de estar com aquele homem de olhos brilhantes.
nossos encontros foram fabulosos. ele era carinhoso, atencioso. certo dia cheguei em casa e ele já estava me esperando. 
–  vou tomar um banho. que tal abrir uma garrafa de vinho para me esperar, disse eu indo direto ao banheiro.
ele obedeceu. após um demorado banho de espuma relaxante fui trocar de roupa no quarto quando fui surpreendida por uma caixa em cima da cama.
ao abrir o pacote lá estava um lindo e exuberante par de sapatos. eram altos, pretos, de bico fino.
– querido...esse presente...falei carregando a caixa na mão.
– shhhhhhhh , são pra você.
– mas...
– por favor madame. coloque pra mim? 
fui ao quarto, vesti uma camisola preta, nem me preocupei com a calcinha. calcei o sapato.
na sala encontrei corelli sentado no sofá com duas taças nas mãos.
– vem, uma é pra você, disse ele esticando a taça
peguei meu vinho, dei um gole e não estava entendendo muito bem a brincadeira. nessa hora ele apoiou a taça na mesa de centro e se ajoelhou na minha frente. eu recuei, tentei levantá-lo, mas ele ficou ali ajoelhado.
– vem aqui anjo, estou rendido aos seus pés.
fui. ele então beijou meu pé. um de cada vez. beijou a parte de cima, beijos molhados. eu em pé no meio da sala com aquele homem lambendo meu sapato, senti um arrepio gostoso de tesão.
andei até o sofá e ele foi ajoelhado até lá. nessa hora pegou meu pé direito e levou em sua direção. beijou mais uma vez, lambeu meu sapato novo e o tirou. seus olhos me encararam com um desejo que me fez perder o fôlego. nesse momento ele lambeu a sola do meu pé. do calcanhar até os dedos. passava a língua provando minha pele. aos poucos lambeu dedo por dedo. sugava cada um. 
enfiou a língua entre eles.
abriu a boca e colocou meu dedão e outros dois dedos na boca e chupou. fechava os olhos de prazer. puxou o outro pé pra ele, tirou o sapato e agora estava com meus dois pés nas mãos.
lambeu o pé esquerdo, assim como havia feito com o direito. deixou os dois molhados. tomou um gole de vinho e deixou babar em cima dos dedos. entre eles enfiava e tirava a língua como se lambesse meu sexo. gemia baixinho, se deliciava com cada dedinho.
eu estava adorando aquilo. já ficava molhadinha, louca para beijar aquela boca que tanto me dava prazer. ele percebeu meu desejo e beijou minha boca. mordeu meus lábios e voltou aos pés. esticou a mão e pegou um pequeno frasco com um óleo cheiroso.
derramou nos meus pés e começou uma massagem deliciosa. eu me contorcia de prazer me deleitando, sentindo cada toque daquela dedicação aos meus dois pezinhos.
meu coração batia forte de excitação.
comecei a esfregar meus pés pelo corpo dele. passei pelos braços, peito. abri sua blusa o melhor que pude com o pé direito. ele sorriu, tirou a blusa, levantou e tirou as calças. estava nu na minha frente.
me acomodei melhor no sofá e fiquei de frente pra ele, puxei a camisola e abri bem minhas pernas mostrando minha buceta encharcada. passei os dedos nela. e lambi.
ai fiz o impensável, coloquei os dois pés no pau dele. segurei como se usasse as mãos. meus pés envolviam a pica dura daquele homem. comecei a fazer movimentos com eles, como se batesse uma punheta com as mãos. os movimentos foram crescendo, ele estava derretendo de tesão. a respiração ficou forte, gemia ao sentir prazer. até que gozou assim. seu gozo escorreu pelas minhas pernas, pelos pés, jorrou tão longe que foi parar na minha barriga. ele imediatamente se ajoelhou. passou a mão nos meus pés, beijou e com os dedos levou todo o gozo que conseguiu limpar até a minha buceta molhada.
lubrificou ainda mais. eu já estava quase gozando. com uma mão ele me masturbava e com a outra segurava meu pé no alto. se abaixou e me lambeu, enfiou a língua em mim como havia enfiado entre meus dedos.
gozei na sua boca. louca, entregue. ele ficou segurando meus pés enquanto eu me contorcia de prazer.
levantei e ele permaneceu ajoelhado. pegou meus sapatos e me fez calça-los. meus pés molhados de óleo, saliva vinho e gozo entraram facilmente no sapato alto. fui andando até o quarto.

amiga, aqui começa mais uma sessão de beijos molhados nos meus pés. ele se deitou no chão, ao lado da cama. fiquei sentada na cama e enfiei os dedos em sua boca, pisei em seu peito, mais uma vez fiz ele gozar passando meus pés em seu pau, mas ai conto os detalhes mais tarde. agora preciso de um banho. um beijo querida.